sábado, janeiro 03, 2009

RELATÓRIO MUNDIAL DA SAÚDE 2008 LANÇADO EM LUANDA

"Os sistemas de saúde devem contribuir para a equidade e justiça social" disse o Representante da OMS em Angola, Dr. Diosdado Nsue-Milang no dia 23 de Dezembro durante o lançamento do Relatório Mundial da Saúde 2008.

Ao apresentar o documento, o Dr.Nsue-Milang explicou como as reformas da atenção primária de saúde podem constituir uma resposta essencial aos desafios da saúde num mundo em rápida transformação e às crescentes expectativas dos indivíduos, famílias e comunidades relativamente à saúde e aos cuidados de saúde nos diferentes países.

Fazendo uma descrição exaustiva dos novos conceitos sobre a Atenção primária de saúde, o representante da OMS em Angola destacou como aspectos principais deste modelo a prevenção de doenças e a promoção da saúde, a detecção precoce das enfermidades, melhores relações entre médicos e pacientes incluindo a participação destes últimos na tomada de decisões, a existência de equipas de profissionais com aptidões sociais e conhecimentos biomédicos e especializados, assim como investimentos e recursos apropriados.

Sublinhando que o relatório propõe quatro grandes reformas para o sector da saúde - designadamente a reforma a favor da cobertura universal; reforma na prestação de serviços; reforma das políticas públicas e reforma na liderança - o Representante da OMS disse que tais acções têm como base um conjunto de valores e de princípios, como a equidade, solidariedade e justiça social que guiam o movimento a favor da Atenção Primária de Saúde e as crescentes expectativas das populações.

"A natureza dos problemas de saúde está a mudar de forma dramática," prosseguiu o Dr. Nsue- Milang ao demonstrar como "a urbanização, globalização e outros factores aceleram a propagação mundial de doenças transmissíveis e aumentam o peso das doenças crónicas". Nos próximos anos – acrescentou ainda - as alterações climáticas e a insegurança alimentar terão maior impacto sobre a saúde e colocarão enormes desafios para uma resposta eficaz e equitativa.

O Representante da OMS apelou à responsabilidade dos estados membros ao comentar que "30 anos depois da Declaração de Alma Ata sobre a atenção primária de saúde, os seus princípios continuam válidos enquanto que as populações estão cada vez mais insatisfeitas com a incapacidade dos serviços de saúde em proporcionar um nível de cobertura que satisfaça as novas necessidades".

O ministro da Saúde, Dr. José Vieira Dias Van-Dúnem, considerou que o lançamento do relatório mundial da saúde constitui um passo importante, por coincidir com o compromisso assumido pelos governos dos países membros da OMS na 61ª Assembleia Geral da Saúde, realizada em maio de 2008, e também porque permite partilhar os avanços e os consensos na luta por uma melhor saúde.


O Dr. José Van-Dúnem referiu ainda que Angola vive actualmente um processo de revitalização dos serviços municipais de saúde que têm como base a atenção primária de saúde.

Por fim, o ministro angolano da saúde destacou o facto de o lançamento deste relatório coincidir com os 30 anos da Conferência Internacional de Alma-Ata, sobre a atenção primária de saúde, realizada na ex-república soviética do Cazaquistão, em 1978, altura em que a equidade no acesso à saúde foi inscrita pela primeira vez na agenda politica internacional.

Materia enviada por José Soares Caetano
OMS - Angola
caetanoj@ao.afro.who.int




Um comentário:

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive popr aqui !! Abraços Ademar!!