Monday, September 16, 2013

HINARI – programa de acesso à rede eletrônica de pesquisa em saúde






Todos os PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e Timor Leste possuem instituições registradas no programa HINARI, com acesso gratuito a mais de 15.000 fontes de informação nas área biomédica e de ciências sociais.


O programa de acesso à rede eletrônica de pesquisa em saúde (HINARI) foi criado em 2002 pela OMS em parceria com a biblioteca da Universidade de Yale e mais de 150 editoras. HINARI foi desenvolvido na grade da rede eletrônica de saúde (InterNetwork), lançada pelo Ex: Secretário Geral das Nações Unidas Kofi Annan no encontro "Objetivos de desenvolvimento do milênio" no ano 2000. 


Liderado pela OMS, HINARI visa fortalecer os serviços de saúde disponibilizando via internet, o acesso à informação relevante, oportuna e de alta qualidade para os profissionais de saúde, pesquisadores e formuladores de políticas.


O programa possibilita acesso eletrônico gratuito ou a baixo custo a uma das maiores coleções do mundo da literatura biomédica e de saúde. 



Existem atualmente mais de 5000 instituições em 106 países, áreas e territórios registrados no HINARIMais de 8.500 revistas científicas e 7.000 livros eletrônicos (em 30 idiomas diferentes) estão disponíveis, beneficiando milhares de trabalhadores de saúde e pesquisadores e, assim, contribuindo para melhorar a saúde mundial.

Todos os países de língua portuguesa de Africa e Timor Leste.



Instituições locais sem fins lucrativos em dois grupos de países podem inscrever-se para o acesso às publicações por meio do HINARI.
As listas de países baseiam-se em três fatores: PNB – produto nacional bruto - per capita (dados do Banco Mundial), Lista dos países menos desenvolvidos de acordo com as Nações Unidas (LDCs) e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).
Instituições em países com pelo menos um dos seguintes critérios podem ser elegíveis para acesso livre:
  • inclusão nos LDCs
  • IDH inferior a 0,63
  • PIB – produto nacional bruto - per capita igual ou inferior a US $ 1600
Instituições de países que não correspondam a pelo menos um dos critérios acima e com um PIB per capita inferior a US $ 5000 ou IDH igual ou inferior a 0,67 podem ser elegíveis para pagar uma taxa de US $ 1000 por ano.

CONTEÚDO DO HINARI

As fontes de informação abrangem as áreas
- ciências básicas,
- bioquímica,
- biotecnologia,
- cardiologia,
- clínica médica,
- odontologia,
- educação,
- meio ambiente,
- ética,
- medicina geral,
- geriatria,
- imunologia,
- doenças infecciosas,
- microbiologia,
- enfermagem,
- nutrição,
- ginecologia e obstetrícia,
- oncologia,
- parasitologia,
- pediatria,
- ciências sociais,
- cirurgia,
- toxicologia,
- medicina tropical e
- zoologia.

HINARI trabalha em parceria com outros três serviços de informação que fazem parte do Research for Life: o serviço de informação em agricultura chamado AGORA (Acesso eletrônico à pesquisa global em agricultura), liderado pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação); OARE (Acesso eletrônico à pesquisa sobre o meio ambiente), liderado pela UNEP (Organização das Nações Unidas para o Meio Ambiente); e ARDI, ciências aplicadas ao serviço da inovação liderada pela WIPO (Organização Mundial de Propriedade Intelectual). 





A colaboração entre os setores de agricultura, meio ambiente, saúde e inovação tem resultado no desenvolvimento de sistemas eficientes, formação colaborativa e disseminação da informação. 
Já falamos da possibilidade de usar o Google Acadêmico. Agora está na hora de você conhecer melhor outras fontes de acesso a artigos científicos em saúde.
Veja o site www.who.int/hinari  para mais informações sobre o HINARI.


Bibliografia:


www.who.int/hinari


 

No comments: