Friday, December 13, 2013

Você já reparou qua as princesas da Disney não têm mãe?

Além de terem histórias encantadoras com momentos de perigo e aventura culminando com a chegada do príncipe encantado para viverem felizes para sempre, Bela, Branca de Neve, Cinderela, Jasmine, Pocahontas e tantas outras princesas criadas pelo mundo Disney têm mais uma coisa em comum: a maioria delas costumam aparecer nos contos de fadas sem a presença da mãe, que morrem durante o parto ou nos primeiros meses de vida da filha.

Parto no século XVI
Não há como termos certeza do motivo deste fato, mas o curioso é que essas histórias refletem uma realidade comum entre as mulheres até meados do século XX. Antes disso, a maternidade carregava a possibilidade de, talvez, as mães terem que pagar o nascimento de suas "princesas" com a própria vida.


Parto no século XVI
A angústia que as invadia em seus anos férteis era o medo dos riscos de deformação física que podiam advir com o parto e a possibilidade real da morte. Mulheres jovens temiam por seus corpos, que mesmo saudáveis poderiam gerar uma criança morta ou carregar em si a causa de sua destruição. A concepção poderia significar que a morte havia entrado em seu corpo.

Era o período chamado de vale das sombras.

Com os progressos da obstetrícia operatória e de aperfeiçoamento dos instrumentos médico-cirúrgicos durante o século XX é que houve uma redução progressiva da mortalidade materna.

Obstetrícia no Brasil em 1903

Hoje, este dado é um dos principais indicadores de desenvolvimento de um país e uma grande preocupação da Organização Mundial da Saúde. Entre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, a redução da mortalidade materna pelo aumento da saúde materna é o objetivo número 5.


Entre os países de língua portuguesa, segundo o World Health Statistics 2013, somente Portugal tem menos de 10 mortes a cada 100 mil nascidos vivos, porém todos os outros países estão promovendo ações e campanhas para reduzir suas taxas.


Bibliografia:

Organização Mundial da Saúde, 2013 - World Health Statistics.
Ungerer, Regina Lúcia Sarmento, 1996

– Começar de novo: Uma revisão histórica sobre criança e o alojamento conjunto mão-filho.

No comments: