Wednesday, April 08, 2015

8 DE ABRIL - DIA MUNDIAL DA LUTA CONTRA O CANCER




CANCER ou CANCRO é um termo genérico para designar um grande grupo de doenças que podem afetar qualquer parte do corpo. 

O cancer ou cancro caracteriza-se pela rápida proliferação de células anormais que crescem para além dos seus limites usuais, e que podem então, invadir partes adjacentes do corpo e se espalhar para outros órgãos, processo que se chama metástase. 

As metástases são as principais causas de morte devido ao cancer/cancro.

O que causa o cancro?

O cancer ou cancro surge a partir de uma única célula. 

A transformação de uma célula normal numa célula  tumoral é um processo múltiplo: tipicamente ocorre a progressão de uma lesão pré-cancerosa para tumores malignos. Essas mudanças são o resultado da interação entre fatores genéticos de uma pessoa e três categorias de agentes externos, incluindo:

-       carcinogéneos físicos, tais como raios ultravioleta e radiação ionizante;

-   carcinogéneos químicos, como o amianto, componentes do fumo do tabaco, a aflatoxina (um contaminante de alimentos) e arsênio (um contaminante água potável);

-   carcinógenos biológicos, tais como infecções de certos vírus, bactérias ou parasitas.


A Agência Internacional para Pesquisa sobre o Cancro (IARC), agência de investigação do cancro da OMS,mantém uma classificação dos agentes que causam cancro.

O envelhecimento é outro fator fundamental para o desenvolvimento da doença. A incidência  aumenta dramaticamente com a idade, provavelmente devido à acumulação de riscos para determinados cancros e à  tendência para os mecanismos de reparação celular serem menos eficazes à medida que vai se envelhecendo. 

Quais são os fatores de risco?

Cerca de um terço das mortes por cancro são devidos aos cinco principais riscos comportamentais e alimentares: 
  • tabagismo;
  • alto índice de massa corporal;
  • baixa ingestão de frutas e legumes;
  • falta de atividade física;
  • consumo de álcool.
O  tabaco é o fator de risco mais importante causando cerca de 20% das mortes por cancro globais e cerca de 70% das mortes no mundo por cancro de pulmão.

Algumas infecções crônicas são fatores de risco e tem grande relevância principalmente em países de baixo e médio desenvolvimento. O vírus da hepatite B (HBV), hepatite C (HCV) e alguns tipos de vírus do papiloma humano (HPV) aumentam o risco de cancro do fígado e do colo do útero, respectivamente e são responsáveis ​​por até 20% das mortes por cancro em países de baixo e médio desenvolvimento.
A infecção pelo HIV aumenta substancialmente o risco de cancro, especialmente o cervical. 

Como pode a incidência do cancro ser reduzida?

São fundamentais dois tipos de abordagem:

1.Estratégias de prevenção

-        Evitar os fatores de risco
-         Vacinar contra o vírus do papiloma humano (HPV) e vírus da hepatite B (HBV).
-        Controlar de riscos ocupacionais.
-        Reduzir a exposição a radiações não-ionizantes pela luz solar. (UV)
-        Reduzir a exposição à radiação ionizante.

2. Detecção precoce

A detecção precoce baseia-se em dois componentes fundamentais:

-          O diagnóstico precoce

A consciência dos sinais e sintomas numa fase inicial (para tipos de cancro, como de pele, colo do útero, mama, colo-rectal e bucal) leva ao diagnóstico e tratamento do cancro em estágio primário. 

O diagnóstico precoce é particularmente relevante quando não há métodos de rastreio eficazes ou  não há rastreio e tratamento com intervenções implementadas. Na ausência de qualquer detecção precoce ou rastreio e tratamento de intervenção, os pacientes são diagnosticados em estágios muito avançados em que o tratamento definitivo não é mais uma opção.

-          O rastreio

O rastreio visa identificar os indivíduos com alterações sugestivas de um cancro específico ou pré-cancro e encaminhá-los prontamente para tratamento ou quando viável, para o diagnóstico.

Exemplos de métodos de rastreio são:

-   inspeção visual com ácido acético (VIA) para o cancro cervical;
-   teste de HPV para o cancro do colo do útero;
-   teste de citologia PAP para o cancro cervical;
-   mamografia para o cancro da mama.




Tipos de tratamento

O diagnóstico correto é essencial para o tratamento adequado e eficaz, uma vez que cada tipo de cancro exige um regime de intervenção específica que abrange uma ou mais modalidades, tais como cirurgia e / ou radioterapia e / ou quimioterapia. 
O principal objetivo é curar ou  melhorar a qualidade e prolongar a vida do paciente.

-Potencial de cura para os cancros detectáveis em fase inicial

Alguns dos tipos de câncer mais comuns, tais como  da mama, do colo, útero, boca e colorretal, têm elevadas taxas de cura quando detectados precocemente e tratados de acordo com as melhores práticas.

-Potencial de cura para outros cancros

Alguns tipos de cancro, embora disseminados, como leucemias e linfomas em crianças, e seminoma testicular, têm altas taxas de cura se o tratamento for adequado.

        O cancro em números

     As últimas estatísticas disponíveis, são as de 2012. Os cancros que mais causaram mortes foram:

  • pulmão (1,59 milhão de mortes);
  • fígado (745 000 mortes);
  • estômago (723 000 mortes);
  • colorretal (694 000 mortes);
  • mama (521 000 mortes);
  • esófago (400 000 mortes).
O cancro continua a ser uma das principais causas de morte no mundo, tendo sido responsável por 8,2 milhões de mortes em 2012.

















Em 2012, nos homens, os cinco locais mais comuns 
diagnosticados foram: 

pulmão;
- próstata;
- colorretal;
- estômago;
- fígado

enquanto que nas mulheres, foram:  

mama;
- colorretal;
- pulmão, 
- colo do útero
estômago.






Mais de 60% do total de novos casos anuais no mundo, ocorrem
na África, Ásia e África Central e América do 
Sul

Estas regiões são responsáveis ​​por 70% das mortes por
cancro no mundo.

Prevê-se que os casos anuais de cancro aumentarão de 14
milhoes em 2012 para 22 milhões nas próximas 2 décadas.


A resposta da OMS

Em 2013, a OMS lançou o Plano de Ação Global para a Prevenção e Controle de Doenças Não-Transmissíveis 2013-2020 
(http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/94384/1/9789241506236_eng.pdf?ua=1), que visa reduzir em 25% a mortalidade prematura por cancro, doenças cardiovasculares, diabetes e doenças respiratórias crônicas até 2025. 

A fim de combater a epidemia global do cancro e de doenças não transmissíveis (DNT), a OMS elaborou o perfil de cada país para o cancro de forma a  sintetizar , num documento de referência, o estado global de prevenção e controle do cancro. O documento inclui dados sobre mortalidade e incidência; fatores de risco; disponibilidade de planos nacionais; monitorização e vigilância; políticas de prevenção primária; triagem; tratamento e cuidados paliativos:


ANGOLA: http://www.who.int/countries/ago/en/
BRASIL: http://www.who.int/countries/bra/en/
CABE VERDE: http://www.who.int/countries/cpv/en/
GUINÉ-BISSAU: http://www.who.int/countries/gnb/en/
MOÇAMBIQUE: http://www.who.int/countries/moz/en/
PORTUGAL: http://www.who.int/countries/prt/en/
SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: http://www.who.int/countries/stp/en/
TIMOR LESTE: http://www.who.int/countries/tls/en/

A OMS e o IARC, têm colaborado com outras organizações das Nações Unidas e parceiros para:

- aumentar o compromisso político para a prevenção e controle do cancro;
- coordenar e realizar pesquisas sobre as causas do cancro humano e os mecanismos da carcinogénese;
-  monitorar a carga de cancro (como parte do trabalho da Iniciativa Global sobre Registros de Cancro GICR);
-  desenvolver estratégias científicas para a prevenção e controle do câncer;
- gerar novos conhecimentos, e disseminá-lo para facilitar a entrega de abordagens baseadas em evidências para o controle do cancro;
- desenvolver padrões e ferramentas para orientar o planejamento e implementação de intervenções para a prevenção, detecção precoce, tratamento e cuidados;
- facilitar grandes redes de parceiros de controle do cancro e peritos a nível mundial, regional e nacional;
-  fortalecer os sistemas de saúde a nível nacional e local para entregar tratamentos e cuidados para pacientes com cancro; e
- prestar assistência técnica para uma rápida, efetiva transferência das intervenções de melhores práticas para os países em desenvolvimento.




FONTE:
















No comments: