Thursday, October 30, 2014

Taxas de mortalidade infantil estão caindo mais rápido do que nunca

Novos dados divulgados recentemente pela Organização das Nações Unidas mostram que as taxas de mortalidade de menores de cinco anos caíram 49% entre 1990 e 2013, além disso a redução média anual acelerou - em alguns países, até mesmo triplicou - mas o progresso global ainda está aquém de alcançar a meta global dos Objetivos do Milênio (ODM) de reduzir em dois terços a mortalidade de menores de cinco anos até 2015.

Novas estimativas mostram que, em 2013, 6,3 milhões de crianças menores de cinco anos morreram por causas que poderiam ser evitadas, em torno de 200 000 a menos do que em 2012, mas ainda há cerca 17 000 mortes de crianças por dia.

Segundo a diretora da UNICEF para programas globais de saúde, Mickey Chopra "Não houve uma drástica redução, mas o aceleramento do progresso na redução da mortalidade entre as crianças e os dados atuais comprovam que o sucesso é possível, mesmo para países com poucos recursos."

Em 2013, 2,8 milhões de bebês morreram no primeiro mês de vida, o que representa cerca de 44% de todas as mortes abaixo dos cinco anos. Cerca de dois terços dessas mortes ocorreram em apenas 10 países. Embora o número de mortes neo-natais tenha diminuído, o progresso tem sido mais lento do que a taxa global de mortalidade de menores de cinco.



Em junho deste ano, a OMS, UNICEF e parceiros emitiu o primeiro plano global para acabar com as mortes neonatais evitáveis ​​e natimortos até 2035. O Plano apela para que todos os países tomem medidas para fornecer serviços básicos de saúde de baixo custo - em especial em torno do momento do parto, bem como para os bebês prematuros e doentes  - e melhorar a qualidade do atendimento.

"A comunidade global está prestes a acabar com a mortalidade materna, neonatal e infantil evitáveis ​​dentro de uma geração", disse Flavia Bustreo, Diretor-Geral Assistente da OMS. 

Oito dos 60 países identificados como países de elevada mortalidade - com pelo menos 40 mortes para cada mil nascidos menores de cinco anos - já atingiram ou ultrapassaram a meta dos ODM (redução de 67%). Os países são o Malawi (72%), Bangladesh (71%), Libéria (71%), Tanzânia (69%), Etiópia (69%), Timor-Leste (68%), Níger (68%) e Eritreia (67 %).

Ásia Oriental, América Latina e no Caribe e na África do Norte, já reduziram a taxa de mortalidade de menores de cinco anos em mais de dois terços desde 1990.

Crianças nascidas em Angola, que tem a maior taxa de mortalidade em menores de cinco do mundo (167 mortes por mil nascidos vivos), têm 84 vezes mais probabilidade de morrer antes dos cinco anos do que crianças nascidas no Luxemburgo, com a menor taxa . Dentro desses países, relativa riqueza, educação e localização são fundamentais - o risco de uma criança de morrer aumenta se ele ou ela nasce em uma área rural remota, em uma família pobre ou tem uma mãe sem escolaridade.

As principais causas de mortes de menores de cinco são:
  • Complicações do parto(17%); 
  • Pneumonia (15%); 
  • Complicações durante o trabalho de parto (11%); 
  • Diarreia (9%); 
  • Malária (7%). 
  • A desnutrição contribui para quase a metade de todas as mortes de menores de cinco anos.


"Para o progresso contínuo, é essencial investir mais em sistemas de saúde que oferecem alta qualidade e serviços a preços acessíveis a todas as mulheres e crianças que precisam deles", disse Olusoji Adeyi, Diretor de Saúde, Nutrição e População, do Grupo Banco Mundial.

O relatório observa que grandes progressos na sobrevivência infantil são, em parte devido a intervenções baseadas em evidências acessíveis contra as principais doenças infecciosas, tais como imunização, mosquiteiros tratados com insecticida, o tratamento de reidratação para a diarreia, suplementos nutricionais e alimentos terapêuticos. 


Fonte: http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2014/child_mortality_estimates/en/

No comments: