Monday, April 21, 2014

O vírus da hepatite C

A hepatite C é uma doença infeciosa causada pelo vírus da hepatite C (HCV) e que afeta sobretudo o fígado. O vírus pode causar uma infeção aguda ou crónica. A infeção aguda é geralmente assintomática e é muito raramente associada a um risco de vida. Em cerca de 15 a 45% das pessoas, o vírus desaparece espontaneamente dentro de 6 meses sem qualquer tratamento. Os restantes 55 a 85% irão desenvolver uma infeção crónica de HCV. Daqueles com infeção crónica, o risco de cirrose do fígado é de 15 a 30% em 20 anos. 
A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que em todo o mundo sejam afetadas 130 a 150 milhões de pessoas.

Distribuição geográfica

A hepatite C é encontrada em todo mundo. As regiões mais afetadas são a Ásia Oriental e África do Norte e Central. A epidemia de hepatite C pode ser concentrada em determinadas populações de alto risco (por exemplo, entre as pessoas que usam drogas injetáveis) e/ou na população em geral. Existem várias estirpes do vírus HCV e a sua distribuição varia de acordo com a região.


Transmissão

O vírus da hepatite C é um vírus de transmissão sanguínea. É mais comumente transmitido através de:
  • Uso de drogas injetáveis através da partilha de material de injeção;
  • Em instituições de saúde devido à reutilização ou esterilização inadequada de equipamentos médicos, especialmente seringas e agulhas;
  • Em alguns países, o HCV é transmitido através da transfusão de sangue não testado e hemoderivados;
  • O HCV também pode ser transmitido sexualmente, e pode ser transmitido de uma mãe infetada para o bebé. No entanto, estes modos de transmissão são menos comuns.
A hepatite C não é transmitida através do leite materno, água ou comida, ou por contato casual como abraçar, beijar e compartilhar alimentos ou bebidas de uma pessoa infetada.

Sintomas

O período de incubação para a hepatite C é de 2 semanas a 6 meses. Após a infeção inicial, cerca de 80% das pessoas não apresentam quaisquer sintomas. As pessoas sintomáticas podem apresentar febre, fadiga, diminuição do apetite, náuseas, vómitos, dores abdominais, urina escura, fezes de cor cinza, dor nas articulações e icterícia (branco dos olhos e pele amarelada).


Diagnóstico

Devido ao fato de que a infeção aguda pelo HCV é normalmente assintomática, o diagnóstico precoce da infeção é raro. Nas pessoas que desenvolvem a infeção crónica, esta pode permanecer sem diagnóstico, muitas vezes até sérios danos hepáticos se desenvolverem.

A infecção por HCV é diagnosticada em duas etapas :
  1. Deteção de pessoas que foram infetadas com o vírus através de um teste serológico que evidencia a presença de anticorpos anti-HCV no sangue da pessoa;
  2. Se o teste for positivo para anticorpos anti-HCV, é necessário efetuar um teste para detetar a presença de RNA (ácido ribonucleico) de HCV para confirmar a infeção por HCV crónica porque em cerca de 15-45 % das pessoas infetadas com HCV, o vírus desaparece espontaneamente devido a uma resposta imune forte sem necessidade de tratamento. Embora estas pessoas não estejam mais infetadas, ainda vão testar positivo para anticorpos anti-HCV.
Assim que uma pessoa é diagnosticada com hepatite C crónica, esta deve ter uma avaliação do grau de lesão hepática (fibrose e cirrose) ocorrido. Isto pode ser feito por biópsia do fígado ou por meio de uma variedade de testes não-invasivos. Também deve fazer um teste de laboratório para identificar o genótipo da estirpe de vírus da hepatite C. Existem seis genótipos do HCV que respondem de forma diferente ao tratamento e é possível uma pessoa ser infectada com mais do que um genótipo. O grau de lesão hepática e genótipo do vírus são utilizados para orientar decisões e gestão da doença de tratamento.

O diagnóstico precoce pode evitar problemas de saúde e evitar a transmissão do vírus.

Populações em maior risco de infeção pelo HCV incluem:
  • Pessoas que injetam drogas;
  • Recetores de produtos sanguíneos infetados ou procedimentos invasivos em unidades de cuidados de saúde com práticas de controle de infeção inadequadas;
  • Crianças nascidas de mães infetadas pelo HCV;
  • Pessoas com parceiros sexuais que estão infetados pelo HCV;
  • Pessoas infetadas com o HIV;
  • Pessoas que usaram drogas intranasais;
  • Pessoas que tiveram tatuagens ou piercings.

Tratamento

A hepatite C nem sempre necessita de tratamento pois a resposta imunológica em algumas pessoas é suficiente para combater a infeção. Quando o tratamento é necessário, o objetivo do tratamento da hepatite C é a cura. A taxa de cura depende de vários fatores, incluindo a estirpe do vírus e do tipo de tratamento dado. O diagnóstico adequado e cuidadoso é necessário antes de iniciar o tratamento para determinar a abordagem mais adequada para o paciente.

O tratamento padrão atual para a hepatite C é a terapia antiviral combinada com interferão e ribavirina, que são eficazes contra todos os genótipos do vírus da hepatite. Infelizmente , o interferão não é amplamente disponível a nível mundial e é mal tolerado em alguns pacientes. Isto significa que a gestão do tratamento é complexo , e muitos pacientes não terminam o seu tratamento. Apesar destas limitações, o interferão e ribavirina são tratamentos que salvam vidas.

Os avanços científicos levaram ao desenvolvimento de novas drogas anti-virais para a hepatite C que são muito mais eficazes, mais seguras e melhor toleradas do que as terapias existentes. Estas novas terapias, conhecidas como agentes anti-virais de ação direta (DAAs) simplificam o tratamento da hepatite C, diminuindo significativamente os requisitos de monitorização e aumentando as taxas de cura. Embora o custo de produção de DAAs é baixa, os preços iniciais estabelecidos pelas empresas são muito elevados e farão provavelmente com que o acesso a estas terapias seja difícil, até para países de alto rendimento.

Ainda há muito por fazer para garantir que este tratamento seja acessível a todos a nível global.
Prevenção
  • Prevenção primária
Não existe vacina para a hepatite C, portanto a prevenção da infeção pelo HCV depende da redução do risco de exposição ao vírus em ambientes de cuidados de saúde, nas populações de maior risco e através do contato sexual.

A lista a seguir fornece um exemplo limitado de intervenções de prevenção primária recomendados pela OMS :

  1. Higiene das mãos: incluindo a preparação pré-cirúrgica, a lavagem das mãos e uso de luvas;
  2. Manuseio e descarte adequado de resíduos;
  3. Limpeza segura dos equipamentos;
  4. Testes de sangue doado;
  5. Melhor acesso a sangue seguro;
  6. Formação de pessoal de saúde.
  • Prevenção secundária e terciária
Para as pessoas infetadas com o vírus da hepatite C, a OMS recomenda:

  1. Educação e aconselhamento sobre as opções para o cuidado e tratamento;
  2. Imunização com a vacina da hepatite A e B para evitar a co-infeção de vírus da hepatite para proteger o fígado;
  3. Tratamento médico precoce e adequado, incluindo a terapia antiviral se for o caso;
  4. Acompanhamento regular para o diagnóstico precoce de doença hepática crónica.
Tratamento: novas diretrizes

A OMS lançou novas diretrizes para o rastreio, atendimento e tratamento de pessoas com infecção por hepatite C em abril de 2014.

Estas são as primeiras orientações sobre o tratamento da hepatite C produzidos pela OMS e complementam a orientação existente sobre a prevenção da transmissão do vírus pelo sangue, incluindo HCV.

Destinam-se a decisores políticos, funcionários do governo, e outros que trabalham em países de baixo e médio rendimento e que estão a desenvolver programas de rastreio, atendimento e tratamento de pessoas com infeção pelo HCV. Estas diretrizes ajudarão a expandir os serviços de tratamento pois fornecem recomendações importantes nesta área e discutem também considerações para a sua implementação.

Para ler mais sobre estas novas diretrizes, clique aqui (em inglês).



Bibliografia:
http://www.who.int/campaigns/hepatitis-day/2013/en/
http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs164/en/

No comments: